Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Joana Cavalcanti.

Tão simples assim.

Joana Cavalcanti.

Tão simples assim.

Bangunça, meu Amor

31.05.19, Joana Cavalcanti

0C28C594-6906-4770-8D6C-CF0563C25CEA (1).jpg

Bem vindo meu Amor à tua casa, de um gato atleta, e de uma escritora em criação.

És certinho e tens o roupeiro mais arrumado deste mundo (muita inveja da boa aqui!) ...já o góji corre que nem doido pela casa e às vezes falha trapalhão, aquela agilidade de gato de não deixar cair nada, outras atira-as de propósito a olhar para nós...como quem diz “aqui! Eu mando! Humpf!”

Mas estou a deixar a melhor bagunça para o fim! A que eu consigo fazer com papel e caneta espalhados pela sala...(Ainda bem que só se tem um portátil)...Num braço do sofá estão cinco cadernos com frases soltas, frases ultrapassadas e por arrancar folha, ou riscar...cabem neles a minha capacidade de viver duas vezes, sentir as que quiser quando me reler.

Não fiques com o cabelo ainda mais enroladinho quando vês tanta caneta ou livro espalhado (já esgotei lugar nas estantes lá por casa). Deixa-me amar-te todas tantas quantas vezes for em escrita traço fino ou o preto em wordpress no blog escrito em computador.

Contei 12 cadernos, 8 canetas entre azul e preto só a espreitar o lado esquerdo...são futuras histórias, frases soltas e retalhos de que vive mais que uma vez. E a ti...vivo-te tantas.. bagunça minha, ansiedade frenética ...”se eu corro eu corro demais só pra te ver meu bem ... é que eu quero socorro...se eu corro!”*


*a banda mais bonita da cidade

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.